The One With The Self-Sex

janeiro 29, 2011 às 6:03 am | Publicado em Putaria | 1 Comentário
Tags: , , , , , , ,

Sim, este artigo trata de assuntos sexuais. Caso você, leitor, se sente ofendido com isso, não leia. Caso você goste, leia. Simples assim.

O artigo fala de nada mais, nada menos do que a melhor amiga de todos os homens, que nos acompanha desde a infância, passando INTENSAMENTE pela adolescência, perdurando em nossa fase adulta e, embora não seja tão comum, ainda dá as caras na terceira idade.

Sim, estou falando da arte de socar o sem osso, o dedão sem unha. Descabelar o palhaço, descascar a banana, comer a mão, dar um tapa na pantera, socar a bexiga, enfim. São vários os nomes para descrever o Processo Unilateral de Normalização Hormonal por Estimulação Temporária Autoinduzida, conhecida vulgarmente como Punheta.

Todos sabem que, para assuntos sexuais, obscenos e pervertidos, os homens são muito mais abertos do que as mulheres (embora seja a abertura das mulheres que nos motive). Dificilmente se vê mulheres conversando abertamente sobre sexo, masturbação. E as que falam, normalmente cobram (R$ 3,90 por minuto… me disseram), ou são pessoas que você não gostaria que falassem disso (Ex: sua mãe).

Confesso que tenho uma vasta experiência no assunto. Nem tanto teórica, mas na prática eu acredito que mereça um doutorado, tamanho conhecimento que possuo na arte do auto-sexo. Enfim, abaixo discorro sobre alguns fatos comuns a todos os homens. E caso não sejam comuns, servem como novas dicas a serem tentadas, pois é sempre bom ter novas experiências. Também serve para as mulheres como objeto de curiosidade, e para aprenderem a não fazer cu doce, pois elas não são nossa única fonte de prazer (ok, admito que essa frase ficou extremamente gay).

MASTURBATION FACTS:

- Cine Privé foi o programa que mais “desvirginou” meninos na história da humanidade. Emmanuelle e Justine deveriam ganhar o Prêmio Nobel.

- Abrir um site pornô, deixar vários videos carregando, embora você saiba que vai acabar gozando na metade do primeiro. Depois de gozar, fecha tudo, lava a mão e vai dormir.

- Após bater, sentimos a DPP (Depressão Pós-Punheta), que faz nos sentirmos nada além de um punheteiro. Mas isso dura cerca de 5 minutos, porque depois já estamos prontos pra próxima.

- Hoje, nós que temos acesso à Internet, é muito fácil. Mas antigamente era muito difícil. Hoje, vemos uma bucetinha sempre que quisermos. Antigamente, os homens só sabiam o que era buceta porque vaca não usa calcinha. Era tudo na base das revistinhas (com mulheres de peitos pequenos e sem depilação NENHUMA) ou das fitas VHS.

- Quando estamos lá pelos 11 anos, qualquer coisa nos deixa excitados. Inclusive, livros de biologia, lá pela página 45. Meio doentio, mas os homens sabem do que estou falando.

- Enquanto toda sua família está em casa, você tá no quarto vendo putaria (punheta com adrenalina, muito bom). O problema é que você esquece que a caixa de som tá ligada, e começa a fornicação “OOOH MY GOD!!!”. Fechamos o vídeo numa velocidade recorde, e ficamos com a pulga atrás da orelha com medo de alguém ter escutado.

- Ficar SEMPRE atento ao “Ativar o que estou ouvindo” do MSN, enquanto assiste putaria. Não seria muito agradável por exemplo, te pegarem com “O EXTERMINADOR DO TEU FURO II” na mensagem pessoal.

- Enquanto você tá lá, animadão, no auge da punheta, o telefone toca:
“- Olá, o senhor gostaria de adquirir o Cartão Hipercard?” ¬¬

- Sempre tentar enfiar em algum orifício, seja qual for. Confesso que já fiz no rolo de papel higiênico. Não recomendo, é meio áspero. Os bichinhos de pelúcia da minha prima também já tiveram casos comigo.

- Bater uma no banho. Ao gozar na mão, o negócio se mistura na água e fica uma porra ultra grudenta. Além da DPP, sentimos uma agonia ao ficar com aquilo na mão. Também não recomendo.

- Bater assistindo programas de TV que não são de putaria. Meio doentio também, mas os homens me entendem. Eu já bati pra uma reportagem sobre índias no Fantástico (elas tinham uns peitinhos muito bons). A banheira do Gugu era imperdível. Hoje em dia, temos as Panicats, do Pânico (mas isso já é putaria, pois elas só tão lá pra mostrar o rabo mesmo).

- Enquanto bate, ficar tentando controlar o momento da ejaculação. Dificilmente conseguimos, aí ficamos frustrados e desistimos. Chega o outro dia, e lá vamos nós.

- Bulma, de Dragon Ball, foi a musa de muitos meninos que tiveram infância nos anos 90. Nossa gozada era praticamente um kamehameha (piada desnecessária).

- Filmes pornográficos não tem final. Ninguém sabe como termina (ninguém aguenta até o fim). Pode até ter os números da Mega Sena, ou o paradeiro do Bin Laden no final do filme, que ninguém vai ficar sabendo.

- Baixar um filme pornográfico e esconder ele no computador. Criar centenas de pastas, colocando uma dentro da outra, com nomes diversos e que ninguém se interesse, como “planilhas setembro”. Pronto. Caso você nunca fez isso, agradeça-me pela belíssima dica.

- Você está sentado na cadeira do seu quarto, batendo uma cheio de empolgação, e entra seu cachorro no quarto te olhando com uma cara de “que isso, meu jovem?”.

- Sentar em cima da mão, pra deixar ela dormente e poder bater sentindo como se fosse outra pessoa. Clássico.

- As asiáticas não sabem que existe depilação da virilha, pude constatar o fato em várias oportunidades. E alguns videos deixam a imagem embaçada na região bucetal da mulher.

- Videos pornográficos com mais de 15 minutos são meio broxantes. Sempre começam com historinhas. Dica: pule direto para os 9 minutos, que é normalmente o momento entre o boquete e a cavalgada.

- Alexis Texas. Se você ainda não a conhece, sua punheta nunca mais será a mesma.

- Videos amadores >>>>>>>>>>>>>>>>>>>>> Videos produzidos.

- Bater uma de pé, com um espelho no chão, pra olhar pra própria bunda e ver o brioco piscando (QUE ISSO MEU JOVEM?).

- Somente nós, punheteiros, sabemos o significado de coisas como milf, femdom, cfnm, blowjob, titjob, threesome, gangbang, smother, squirt, entre outros. Se você não sabe, logo saberá.

- Quando menores, pedíamos revistas pornográficas dos amigos emprestadas. O problema é que as páginas já estavam meio grudentas.

- Nada é mais eficiente do que a imagem de sua vó na mente, para nos broxar quando estamos prestes a ser pegos com a mão na massa.

- Fone de ouvido, o melhor amigo dos punheteiros (e o pior inimigo dos funkeiros do ônibus).

- Passar sabonete na mão antes de bater uma, pra dar uma deslizada e uma sensação gostosa. Só não esqueça de lavar o pinto depois, senão começa a arder, vai por mim.

- Canal Brasil, lá pelas 2 da manhã. Fica a dica. OBS: Exceto se for aquele filme que aparece a Regina Casé pelada. Fiquei broxado durante 2 semanas por causa daquela porra.

- Puxar o cabo do PC da tomada quando chega alguém, é um dos principais motivos para o computador estragar. Mas ainda assim vale mais a pena do que algum parente entrar no quarto e te pegar com o Paul na mão.

- Velcro, o pior inimigo dos punheteiros. Quando vamos abrir o calção, sempre dá aquele barulho FILHODAPUTA, que faz a casa toda ouvir.

- É impossível bater uma pensando na menina que gostamos. Se você consegue bater pensando nela, então não gosta dela de verdade. Serve como um teste, fica a dica.

- Xvideos banalizou a punheta. Hoje ela pode ser batida a qualquer momento, qualquer dia, qualquer hora. Antigamente, precisávamos batalhar pela punheta. Sites lentos, internet discada, videos com baixa qualidade, apenas fotos. Enfim, tudo que é batalhado é melhor (não que eu esteja reclamando do Xvideos, que já me deu muitas alegrias).

- Controlar a ejaculação é bom, mas quando é demais, é um problema. Quando já estamos batendo por um bom tempo, o braço começa a doer e nada de gozar, desistimos da punheta. O problema depois é Blue Balls, só quem já teve sabe como é.

- Ficar uns 15 minutos procurando pelo melhor video. Encontrar um, e gozar antes dos 30 segundos. Sad but true.

- Deixar no status do MSN algo como “não tô”, ou “mãe no PC”, só pra não ser incomodado enquanto bate. O problema é se tiver “mãe no PC”, junto com aquele outro problema do Ativar o que estou ouvindo. Já pensou se veem sua mãe assistindo O EXTERMINADOR DO TEU FURO II?

- Há quem goste de se masturbar com o dedo enfiado no cu. A chamada Cunheta. Nunca fiz, não sei como é, não quero saber e tenho ódio de quem fez.

- É sempre bom ir revezando os braços enquanto bate. Ninguém quer ficar musculoso de um braço só. Batam como se estivessem remando, um braço de cada vez (se bem que, bater com a mão contrária é como se estivéssemos traindo a mão padrão).

- Eu já passei trote pras putas dos classificados. É engraçado (mas não recomendo, é bom respeitar as profissionais do sexo).

- Gozar nos pentelhos, uma das sensações mais nojentas do ser humano. Só perde para o vômito que sai pelo nariz.

- Apagar o histórico, uma arte. Ctrl+Shift+Del facilita o trabalho, porque não é bom pegar no mouse com a mão gozada. Mais uma dica.

- Depois daquela notícia do adolescente que morreu se masturbando, os sites pornográficos tiveram uma queda de 92% de viewers durante umas duas semanas, e a audiência dos canais pornográficos caiu drásticamente. Compreensível.

- Sempre há uma professora nas nossas fantasias. Pode ser aquela gostosa que te dava aula de inglês, ou mesmo aquela velha filha da puta que te deu nota baixa. O bom de foder a velha é gozar na cara, chamar de puta, piranha, etc. Sensação de alívio.

Enfim, depois de colher tantas informações, e dar algumas dicas para os amigos de mão peluda, vou me recolher, pois preciso bater uma sinistra dormir e acordar cedo amanhã.

E aos meninos, que hoje em dia só utilizam Xvideos, e outros sites do tipo, fica a mensagem: VALORIZEM A PUNHETA. Nós, que somos mais velhos, precisávamos batalhar por ela. Sofremos muito por tudo isso. Espero que isso conste nos livros de história daqui algumas gerações. Ficaria muito feliz em ver meu glorioso nome nas páginas dos livros de história.

Saudações (sem apertos de mão), Vagino.

OBS: Agradecimentos aos punheteiros da comunidade do Grêmio no orkut, que me deram a inspiração necessária pra escrever essa merda.

OBS2: Não estou recebendo nada do Xvideos por falar tanto do site, mas achei que era uma boa forma de homenagear o site que já me deu tantas alegrias. Xvideos ♥

Bulevardo of Broken Dreams

janeiro 15, 2011 às 3:35 am | Publicado em Azarado, Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , , , ,

“Olá, meu nome é Bulevardo. Sou um grande fã do seu blog. Tenho 23 anos, e gostaria de dividir com você e com os seus milhares de leitores uma história que aconteceu comigo. Espero que gostem. Edit: E caso não gostem, foda-se, é de graça mesmo.

Era uma tarde de sábado, e eu estava em casa assistindo TV. Como sou um rapaz muito malandro, minha TV a cabo é daquelas chamadas ‘gato’, pois puxei um cabo direto da casa do vizinho pra minha TV, com todos os canais abertos. Pois é, eu estava assistindo canais de putaria.

Como sabem, nenhum cara assiste esses canais de mãos abanando, e eu estava mexendo no meu amiguinho (que naquela altura, já havia se tornado amigão). Mas eu sentia que aquilo não era o bastante pra mim. Eu precisava mesmo arranjar uma foda.

Quando eu estou nesses momentos, sentindo aquela necessidade masculina, geralmente recorro à Marilda. Não vou dizer que cansei dela, pois seria cuspir no prato que ainda pretendo comer, mas ela estava um pouco suja, e decidi colocá-la pra lavar. Semana que vem é só pegar a bomba, encher, e ela estará pronta para nossas relações animais. Mas isso já é outro assunto.

Pois bem, eu não sou nenhum Don Juan, não tenho facilidade em conquistar meninas, não sou rico e nem tenho carro (o essencial pra arranjar pelo menos 5 fodas por semana), portanto, teria que recorrer a uma prostituta. E daquelas bem baratas.

Eu tava com medo de ir pra rua procurar putas, pois a maioria por aqui é travesti. Eu queria transar, e não brincar de guerra de espadas. Então recorri ao melhor lugar para procurar prostitutas: os classificados do jornal de domingo.

Tava vendo aquelas ‘mulheres’ (todos esperam que sejam) tipo ‘Kelly, 19a, loira c/ corpo escultural, faz d tudo na cama’, ou ‘Amandinha, 22a, morena corpo violão, ja fez pornô’. Propaganda é a alma do negócio. Dei mais uma procurada e achei o que queria. No anúncio, ela se chamava Livia, dizia ter 26 anos, ter corpo sarado e ser bem liberal.

Liguei pra Livia, ela topou vir até minha casa, e disse que faria tudo, por 50 reais (era tudo o que eu tinha no bolso). Tava tudo no esquema, eu tava me preparando pra chegada dela.

Pois é, antes dela chegar, fui pro banheiro me preparar pra dar uma boa bimbada quando ela chegasse. E eu queria que fosse algo realmente duradouro, pois eu não ia pagar 50 reais por uma foda de 5 minutos. Então fui bater uma no banheiro, pois todo homem sabe que a segunda vez sempre dura mais.

Enfim, me aliviei. Larguei os Bulevardinhos na privada e dei a descarga. Tava tudo pronto pra fuder a Livia. Só faltava… a Livia!

Eis que ela chegou. Ao ver Lívia entrando em meu apartamento, vendo o seu corpo, seu cheiro e seu jeito, só consegui pensar em uma coisa: nunca confiar nos anúncios dos classificados.

Devo dizer que era verdade que ela tinha um corpo sarado. Ela tinha 1,85, 85kg. Eu REALMENTE pensei que Livia era um travesti. Apesar dela ser muito maior do que eu, disse que não queria comer um travecão, e só iria comê-la caso me mostrasse a xoxota.

Nesse momento, aprendi outra lição: as mulheres não gostam de ser chamadas de travesti. Livia ficou muito puta, baixou a saia, mostrou que era realmente uma mulher. Fiquei aliviado… por 10 segundos.

Depois de mostrar O BUCETÃO suas partes íntimas, Livia começou a me bater. Me deu cadeiradas, tapas, socos, chutes. Depois de cansar, pegou meu dinheiro e foi embora. Sim, eu apanhei de uma mulher, mas só porque ela era mais forte do que eu mamãe me ensinou a não bater em mulheres.

Depois que ela foi embora, fiquei muito puto. Inclusive, vou acionar o Procon, procurar o direito do consumidor. Afinal, paguei e não comi. Isso é um absurdo!

Pelo menos, com essa maracutaia dos classificados, decidi que seria uma oportunidade de me dar bem, me lançando nessa carreira também. Segue aí meu anúncio:

‘Bulevardo, 23a, corpo sarado, barriga tanquinho c/ mangueirão. Faz QUASE tudo. Já fez pornô. Também chamado de tripé.’

Fica a dica pro pessoal aí: não confiem na seção de putas dos classificados. E caso uma mulher pareça um travesti, não há saída. Ou você arrisca tudo e come, ou apanha e fica sem grana.

Abraço, pessoal.”

Descabelando o palhaço

maio 30, 2010 às 3:45 am | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

Masturbar, socar a bexiga, descabelar o palhaço ou descascar o bananão. Tantos são os adjetivos para descrever a querida e amada punhetinha nossa de cada dia. E não adianta negar, não há quem nunca tenha dado umas ‘balançadas a mais’ no amigão (amiguinho, para os menos favorecidos; ou miguxo para os que pouco o usam).

Antes de mais nada, é importante lembrar que a masturbação é uma prática normal e sadia, que em nada pode afetar em nosso organismo. O máximo que pode acontecer é o cidadão ficar musculoso de 1 braço só. Por isso é sempre bom ir variando, bate um dia com a direita, outro dia com a esquerda. Embora digam que, bater com a esquerda é a mesma coisa que comer uma desconhecida (isso para os destros).

Também devo avisar as mulheres: não se espantem, pois os homens, mesmo tendo namorada ou sendo casado, continuam com esse hábito. Como dizem, a prática leva a perfeição. E é bastante útil para controlarmos o momento da ejaculação (ou o jato da gozada, se preferirem).

Vão aí alguns fatos sobre a masturbação:

  • É preciso uma atmosfera totalmente favorável para a prática da masturbação. Sempre sozinho. As vezes com alguma revista ou filme.
  • Não há do que se envergonhar, a primeira punheta da maioria dos homens foi assistindo Emmanuelle/Justine, no Cine Privé (onde só aparecem tetas, diga-se de passagem).
  • Se alguém pegou você com a mão na piroca massa, fudeu. Não há o que dizer. Se foram seus pais, será ainda mais constrangedor. Só não é mais constrangedor do que ver os 2 transando. Isso sim é traumático, acreditem (eu não quero falar sobre isso…).
  • Bater uma no banho é bom. Alguns caras passam condicionador na mão, pra ficar lubrificada, e assim bater bem rapidão. Confesso que nunca foi uma de minhas favoritas.
  • Alguns pseudo-homens dizem gostar de bater punheta com o dedo enfiado no cu. Coisa de puto! Acho que é meio óbvio, mas é sempre bom lembrar: CU DE MACHO É INTOCÁVEL.
  • Apesar de não ser recomendável, muitos homens tem o hábito de se masturbarem na cama, antes de dormir. Coitados dos lençóis.
  • Ao contrário do que muitos pensam, ao se masturbar você não estará matando suas criancinhas. Seus testículos ainda serão capazes de produzir muitos filhos ainda, confiem em mim.
  • Lavem as mãos antes e depois de bater. Higiene é básico.
  • Alguns homens acham interessante usar um cronômetro durante o ato, para assim, controlar o tempo da ejaculação (duvido que alguém quebre meu recorde: 16 minutos e 21 segundos, chupem!).
  • Você pode até pedir para sua namorada/mulher/prostituta bata pra você, mas não será tão boa quanto a que você mesmo bate.
  • Se os padres batessem umazinha de vez em quando, diminuiriam os casos de pedofilia envolvendo a igreja. Fica a dica. [AQUI HÁ UMA IRONIA] (ou não)
  • Nunca fale sobre masturbação com as mulheres. Elas acham isso nojento (apesar de também praticarem, e não admitirem).
  • Como eu disse, masturbação é saudável. Mas nada é bom em excesso. Se você bate em média umas 3 por semana, você é normal. Se você bate 7 por semana, você é um pouco acima da média. Se você bate 7 por dia, você é meu ídolo.
  • Apesar do pau não ter nenhum osso, ele pode sim ‘quebrar’. Ou pelo menos sofrer alguma lesão, caso você faça algum movimento brusco. Portanto, tenha cuidado com seu pinto, pois você só tem 1!

Espero ter ajudado o pessoal que ainda não sabia, e tirar a curiosidade das meninas. Batam com moderação.

Abraços.

Quebrando o clima

abril 3, 2010 às 6:44 pm | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , ,

Seja entre namorados, ficantes, amantes ou marido e mulher, a pegação é um dos pontos altos do relacionamento. Colocam mão pra cá, mão pra lá, beija aqui, beija ali, a situação começa a ficar quente, já preparando o terreno pro sexo (ou não). Porém, é preciso sempre tomar cuidado com o que faz, para não quebrar o clima, ou em outras palavras, broxar.

E, ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, não são somente os homens que broxam. Mulheres também broxam, e com uma frequência algumas vezes até maior que a frequência masculina (por outro lado, elas não tem o constrangimento de ficar com o pinto murcho). Se o homem faz alguma coisa que não agrade a mulher na hora do amasso, já era. Ali não entra mais nada. Muitas vezes, nem adianta insistir, pode acabar só piorando.

Por outro lado, quando os homens broxam, nada ajudará. Não importa o que a mulher diga, nada o fará se sentir melhor. Essas coisas de ‘é normal’, ‘acontece com qualquer um’ nunca ajudaram ninguém, e nem ajudarão (e quando eles disserem ‘isso nunca me aconteceu antes’, nunca acreditem).

Com o intuito de ajudar, vou lhes dar algumas dicas sobre o que broxa a parceira. Antes que pensem que ja tive essa experiência, quero deixar bem claro que isso nunca me aconteceu.

- Apelidos pro pinto. Sei que as mulheres fazem isso com a melhor das intenções, mas isso SEMPRE atrapalha. E se o apelido for no diminutivo, pode traumatizar o cidadão. Imaginem vocês, mulheres, ouvindo a seguinte frase: ‘deixa eu tocar na sua pererequinha’ (só de ler já é broxante).

- Comparações com qualquer outro homem nunca são bem vindas. Pode ser o ex-namorado dela, o pai dela, o capeta. Seja quem for, nunca é bom ser comparado a outra pessoa. E se trocar o seu nome por outro, vingue-se, diga que ela engordou (chamar de gorda ofende mais do que chamar de filha da puta).

- Sou contra agressão à mulheres, mas se vier tentar meter o dedo, tem que quebrar aquele dedo em 4 partes [AQUI HÁ UMA IRONIA].

- A grande maioria prefere mulheres depiladas. Uma pequena parcela prefere mulheres com um ‘penteado pubiano’. Mas NINGUÉM gosta de uma floresta. É totalmente broxante e anti-higiênico. Imagina, tirar a calcinha da menina e… WELCOME TO THE JUNGLE ♫. Acho que somente zoófilos gostam disso, por se imaginarem transando com o Donkey Kong.

- E por falar em higiene, qualquer cheiro anormal é broxante. É até compreensível o cheiro de bacalhau da buceta. Mas outros aromas podem te fazer broxar, vomitar, desmaiar ou ficar doidão.

- Quando a menina se propõe a fazer um boquete, todos os homens ficam animados, mas há algumas ressalvas. Encostar os dentes no pinto não é uma sensação agradável. E se você usa aparelhos, desista e tente alguma outra coisa.

- Sexo anal é um desejo de 9 entre 10 homens (eu sou aquele que não tem esse desejo). Cu todos tem, e nem por isso saímos pedindo pra qualquer um nos dar. Além disso, só faça se tiver certeza absoluta que a menina está completamente limpa. Imagina você lá, no bem bom, e vendo o seu pinto ficando todo cagado. Isso pode te broxar por semanas (Na visão masculina, mulheres não cagam. Falo sério).

- Um tapinha não dói. Muitas vezes é sexy e excitante. Dois, talvez, seja melhor. Mas tome cuidado pra não exagerar. Você fica empolgadão dando tabefes na menina e quando se dá conta já está dando um brutality enquanto fode a coitada.

- Se você broxa com celulites e essas coisas, tenho uma má notícia pra lhe dar… você é UMA BICHOOOONAAAA estranho.

———————————————————————————————————————–

Agora, introduzindo a visão feminina ao artigo, por Cabelinho Curto, pseudônimo de Chu:

- Broxa é quando a mulher se esforça pra tentar animar o cara, e o cara continua parado, não coloca mão na bunda, na coxa, e limita-se a ficar com a mão nas costas dela. Nem dando uma marretada no pau do cara ele vai ter algum tipo de reação. [AQUI HÁ UMA IRONIA.]

- Não adianta, nunca adiantou. Ficar bêbada e ficar com um cara bêbado, completamente anestesiado não é nem um pouco excitante e nunca foi, só dando uma dedada pra sentir alguma coisa. (não digo que dê certo, e até, duvido um pouco)

- BEIJAR OUTRAS MULHERES NÃO É EXCITANTE PARA TODOS OS HOMENS. Alguns simplesmente acharão que tu é lésbica, e vão achar nojento.

- Homem com asa, bafo, cheiro de merda, qualquer odor desagradável, preparem-se para prender a respiração, porque se quiser que “dê certo”, é o único jeito.

- PESSOAL DO SEXO MASCULINO, APRENDAM: não é só porque a pessoa do sexo feminino colocou a mão no teu peito que tu pode colocar as tuas mãos na região GENITAL do sexo oposto.

- E agora, sendo bem direta: se forem fazer agrados (a.k.a bater) para as mulheres, sejam gentis, qualquer movimento brusco pode ser decisivo. Porém, não sejam gays delicados demais.

Sendo assim, é preciso se esforçar pra não quebrar o clima na hora H. Mas, caso tenha feito tudo isso e ainda assim não deu certo, sinto muito, mas você é feio(a). E eu não faço milagres!

Casa da Mãe Joana

fevereiro 17, 2010 às 3:21 am | Publicado em Putaria | 1 Comentário
Tags: , , , , , ,

Era uma simples tarde de sábado, eu estava na frente do PC jogando Football Manager. Consegui ganhar a Libertadores com o Corinthians, sou foda! (é.. jogo é jogo, né)

Minha casa estava em obras, estavam reformando a cozinha. Cansado de jogar (e suar a bunda na cadeira do PC), fui até a cozinha ouvir a conversa dos pedreiros. Eles só falavam besteira, mas achei a conversa interessante quando começaram a falar da “Casa da Mãe Joana”, o puteiro que tinha no centro da cidade.

Agenor (o pedreiro mais bonito.. lhe faltavam só 3 dentes) falava que na Casa da Mãe Joana, só tinha puta de grife. E que, semana passada, foi lá e comeu a piorzinha de lá, pagou 80 reais pelo programa e pelo quarto. Imaginei que o lugar devia ser bom, pois a pior custava 80. Já vi gente pagando 15 por puta de esquina, e ainda saía chamando de ‘meu amor’.

Eu nunca tinha ido a um puteiro, estava com um pouco de receio. Decidi me enturmar com os pedreiros para saber mais sobre o assunto. Agenor me disse que, se eu fosse pagar alguma das putas mais caras, nem precisaria de camisinha, e que ele pagou 150 só pra chupar uma das putas de grife (é, acho que agora tá explicado porque ele não tem dentes). O lema deles era ‘lavou, tá novo’.

Aquele papo não me ajudou muito, mas me disseram que, depois da primeira vez lá, eu seria um novo homem. Naquela época eu era virgem. O máximo que eu fiz, até então, foi tocar acidentalmente nos peitos da minha professora de religião. Lembro até hoje daquele momento, me rendeu algumas horas no banheiro… mas isso não vem ao caso.

Fiquei animado, peguei minha grana e fui. Para o caso de não haver camisinhas no puteiro, decidi passar antes na farmácia e comprar algumas. A menina que atendia lá era gostosinha, e pra pagar de fodão, cheguei gritando “ME VÊ 10 CAMISINHAS GG, PORRA!”. Ela fez uma cara de apavorada, e me deu as camisinhas (de certo ficou assustada comigo, ha ha ha). Saí de lá me achando o Kid Bengala.

Cheguei na rua do puteiro, e só tinha cara mal encarado lá. Logo na frente do estabelecimento, tinham uns 3 caras bombadões, me olhando com uma cara de ‘seu cu não será perdoado’. Perguntei se era ali a Casa da Mãe Joana, e o maior deles confirmou e deixou eu entrar. Quando passei por ele, ele me passou a mão na bunda e piscou pra mim (medo).

Cheguei lá e pedi uma bebida no balcão, a cerveja custava 15 reais (puta merda). Paguei e fiquei ali sentado. Nisso, uma meretriz vem para o meu lado e pergunta se eu quero fazer companhia pra ela. Embora meu pau tenha respondido sim (se é que me entendem), eu recusei, pois eu queria uma realmente de elite. Daquelas que nem tem o nome no ‘cardápio’.

Cheguei na própria Joana (cafetina e dona do estabelecimento) e pedi a melhor que ela tinha. E disse a ela pra mandar avisar, que AC (apelido que criei) havia chegado ao estabelecimento. Ela me perguntou o que era AC, eu respondi: “arrombador de cu”

Ela me olhou com uma cara de ‘até parece que esse cabaço é tudo isso’. Ela me deu a chave de um quarto, e disse que eu não ia me arrepender. Peguei a chave e fui pro quarto.

Logo depois de mim, entrou uma ruiva ultra gostosa. Nunca fui muito fã de ruivas, mas aquela me fez enlouquecer. Chegou me chamando de garanhão e tirando a roupa. Tirei o sutiã dela e vi os peitos. Ela tinha silicone, e os peitos dela eram mais duros do que…. deixa pra lá.

Fiquei um tempo beijando os peitos dela (nem perguntei o nome), e ela abria o zíper de minha calça. Eu parei com aquilo e disse que queria ir logo pra fudelança. Eu não tava pagando (e caro) pra ficar chupando peitos.

Ela tirou minha calça, viu o meu pau, fez uma cara de espanto e disse que era o maior que ela já tinha visto. Eu tava realmente me sentindo fudião. Mas eu queria ser mal, e mandei ela chupar. Ela mal colocou a boca e não aguentei, gozei na cara dela, entrou até dentro do nariz. Ela gostou e disse que queria mais, mas tinhamos que esperar até eu me recompor, afinal, aqueles segundos foram desgastantes demais pra mim.

Quando eu tava em posição de guerra, decidi comê-la. Coloquei a camisinha GG, mas eu nunca havia feito aquilo, e a camisinha tava parecendo um sino, com o meu pau sendo o badalo. Tava ‘um pouco’ folgada. Pensei que era normal, pra ter mais lugar pra porra, e meti mesmo assim (descobri naquele momento que pentelhos ruivos são engraçados).

Eu sou tão foda que, eu nem tinha colocado ainda, e ela já tava gemendo feito louca. Não sei porque não investi na carreira pornô. Acho que meu ultra-pau tava rasgando ela, porque ela gemia demais. E meu pau também tava um pouco folgado lá dentro, mas não fazia diferença, ela tava doida de tesão.

Acabei gozando, ela não percebeu e continuou gemendo. Me achei realmente fodão quando eu tirei o pau de dentro dela (a camisinha ficou lá dentro, puta merda), e ela continuava gemendo. Ela só se deu conta quando eu tava deitado parado do lado dela. Ela fez uma cara de espanto, levantou e disse ‘ah, eu vou gozar’. E começou a me soltar um líquido muito estranho, parecia que ela tava mijando em mim, tinha cheiro de xixi. Molhou toda a cama.

Perguntei o que era aquilo, ela disse que algumas mulheres gozam daquele jeito (claro, depois daqueles 2 minutos comigo, impossível não gozar, ha ha ha).

Mas tava faltando algo ainda pra eu finalizar minha fama naquele recinto. Precisava arrombar o cu dela. No início ela não queria, mas eu sou mau e mandei ela ficar de 4. Ela ficou, e eu ia começar a meter.

Como vi em alguns filmes, dei uma cuspida na minha mão e passei no toba dela. Não sei o porque daquilo, mas era legal. Coloquei tudo dentro dela, e ela não esboçou reação (cheguei a pensar que ela havia desmaiado com minha potência).

Só quando disse ‘estou metendo’, ela disse ‘ah ta’, e começou a gemer. Eu havia esquecido a camisinha, mas foda-se, ela era puta de elite, e provavelmente lavava o cu frequentemente. Sempre diziam que cus eram apertados, mas o dela até que não era. Vai ver acabei arrombando com a coitada, ha ha ha.

Depois de 1 minuto, gozei dentro dela. Tirei de dentro dela, e meu pau tava todo cagado. Vomitei em cima dela. Ela ficou puta (que irônico) e me deu um soco na cara. Ela saiu do quarto. Eu fui lavar meu amigo e fui atrás dela, pra reclamar com a dona do estabelecimento.

Cheguei na porta da sala de Joana e elas estavam conversando, decidi ficar escondido e ouvir, eis o que a puta falou:

- Aquele cara era uma piada.. o pau dele não me fez nem cócega, gozava antes de eu começar, mijei nele fingindo que tava gozando, e ainda sujou o pau de bosta.

Nem tive coragem de entrar, fui embora do estabelecimento (e assediado novamente pelo segurança). Saí de lá todo mijado, com vontade de vomitar e sem grana. E depois de 1 semana, meu pau ficou meio preto. Depois daquilo, decidi ficar um tempo sem ir a puteiros. Minha nova meta é a gostosinha da farmácia, ha ha ha!

ps: espero que a puta use anticoncepcional, não quero ter um ‘filho da puta’
ps2: tenho 1, mas nem jogo
ps3: não tenho e nem pretendo ter, sou pobre
ps4: nem existe ainda, mas quando existir, também não terei

Sensações Indescritíveis

fevereiro 13, 2010 às 2:21 am | Publicado em Putaria | 2 Comentários
Tags: , , , , , , ,

Isto se trata de um diálogo.

Vagino: Foi bom para você?
Cabelinho Curto: É… Já tive melhores.
(Um urro silencioso preenche todos espaços possíveis, seguido de uma fala de CC)
Cabelinho Curto: Precisa ser maior para alcançar mais fundo, Vagi.
(O de Vagino automaticamente, lentamente, cai para o lado, dobrando)
Cabelinho Curto: É, Vagi, o seu é muito dobradiço, o melhor é o do Johnson.
Vagino: Já que nos conhecemos há um tempo, será que não rola a gente fazer no outro?
Cabelinho Curto: O outro é muito apertado, vai machucar.
Vagino: É só relaxar, vou com jeitinho… E coloco só a cabeça.

Trata-se de um diálogo sobre cotonetes e ouvidos.

Por: Cabelinho Curto

Coma alcoólatra

janeiro 25, 2010 às 2:37 am | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , , ,

O primeiro porre a gente nunca esquece. Um daqueles momentos em que nos sentimos ansiosos, doidões e depois péssimos. Algumas vezes valem a pena, outras não. No meu caso, não valeu a pena, nem um pouco.

Eu tinha 14 anos.  Meu amigo Cleiton tinha 16, e era muito fissurado nisso, apesar de nunca ter bebido nem a espuminha da cerveja no copo do tiozão, naqueles churrascos em família.

Sexta-feira, véspera de um fim de semana chato, Cleiton e eu combinamos de beber. Os pais dele iriam viajar, e ele ficaria em casa com o irmão menor (que fica só no PC vendo pornografia, não seria problema). Como ficaria extremamente gay ficarmos sozinhos na casa dele enquanto os pais viajam, decidimos chamar uma garota pra beber conosco. Depois de vários ‘não’, ‘vai a merda’ e  ‘tão achando que sou puta?’, encontramos a guria. Amanda aceitou nosso convite.

Nesse caso, além de bebermos, tinhamos a intenção de embebedarmos Amanda para depois comê-la. Seria perfeito. Mas como não queríamos nenhuma lutinha de espadas, ficaria combinado que somente 1 teria esse prazer. E que vença o melhor!

Antes de tudo, fui ao mercado para comprar as bebidas. Depois de pegar tudo o que eu queria, o caixa não deixou eu comprar por ser menor de idade. Mandei ele ir à merda e fui embora daquela espelunca. Depois, o dono do mercado chamou meu pai. Dedo duro! (falo isso da boca pra fora, afinal, nunca levei uma dedada dele)

Depois de levar uns cascudos do meu pai, falei com Cleiton sobre o problema, mas ele disse pra não me preocupar, que ele já havia conseguido os tragos para a gente. Como meu pai ainda tava puto por causa do negócio das bebidas, obviamente não me deixou dormir na casa de Cleiton. Esperto que sou, fugi.

Cheguei lá e estava Cleiton com um galão de vinho, daqueles bem vagabundos. Ele disse que aquele era dos bons, que deixava doidão bem rápido (ele falava como se entendesse realmente daquilo). Como eu não entendia bulhufas, acreditei nele.

Quando Amanda chegou, começamos a beber. Eu não sabia beber, dava só uns golinhos e fazia cara de nojo, pois eu era um gurizinho criado a Tang de morango, e aquele vinho era ruim pra caralho. Cleiton queria bancar o fodão, então pegava um copo e virava em um gole só. Amanda bebia bastante também, mas não tanto quanto nosso amigo pé de cana.

Papo vai, papo vem, estavam todos mais pra lá do que pra cá (exceto eu, que bebi moderadamente), e Cleiton começa a partir pra cima de Amanda. Pior é que ela caiu na lábia dele, e eles foram pro quarto.

Como eu não sou um bom perdedor, comecei a beber pra caralho depois que ela escolheu a ele. Tava bebendo direto do galão. Sem nada pra fazer, fui encher o saco do irmão de Cleiton, que estava vendo uma mulher com um cavalo no computador. Como eu tinha bebido pra caralho e ja tava meio tonto, acabei vomitando em cima do desgraçado do guri. Ele começou a chorar e foi correndo pro banheiro, e lá tomou um daqueles famosos ‘banhos de 2 horas’, muito comuns na pré-adolescência.

Eu ja tava ficando puto, eis que Cleiton abre a porta do quarto peladão e sai correndo pela casa. Perguntei pra ele o que havia acontecido, e ele disse que Amanda era doida, e que era pra eu ir lá verificar.

Entrei no quarto e lá estava Amanda deitada na cama, pelada, e com um strap-on cagado do lado (eu nem queria pensar no que havia acontecido). Quando tentei sair, notei que Cleiton havia me trancado lá (filho da puta).

Amanda me disse pra não ter medo, e que me daria o que eu queria, se eu lhe desse o que ela queria. Na hora pensei um pouco, eis as minhas opções:

a) Comer Amanda e depois ser enrabado pela mesma
b) Tentar fugir, e acabar sendo enrabado por Amanda com raiva
c) Conversar com Amanda sobre a cotação do dólar e a bolsa de valores

No momento em que fui tomar a minha decisão, acabei apagando. Enquanto eu estava dormindo, meu pai foi até a casa de Cleiton procurar por mim.

Quando ele entrou, logo viu o irmão de Cleiton apagado no chão da sala com um strap-on enfiado no rabo. Cleiton estava apagado em cima da mesa da cozinha, todo vomitado e com as calças sangrando. Meu pai estava temendo pelo pior. E quando abriu a porta do quarto, viu Amanda e eu deitados na cama, pelados.

Quando acordei, meu pai estava lá, me olhando com uma cara de orgulho. Acordei todo molhado, pois Amanda estava podre de bêbada e havia mijado na cama. Não estava sentindo nada de estranho, sinal de que não fui comido.

O resultado da noite até que foi bom. O pessoal achava que eu era comedor, que havia comido Amanda, e que eu não havia perdoado nem Cleiton e seu irmão do meu feroz apetite sexual. Mas a verdade é que ninguém sabe como terminou aquela noite. O único fato após aquela noite foi o irmão de Cleiton ter se revelado uma bichinha. Atualmente, ele trabalha como massagista, e vai a todos os jogos de seu novo time de coração, o Sport Club Internacional. Agora, terei que viver eternamente com esse mistério em minha vida (pior que nem consegui falar com ela sobre o dólar, merda!). O que houve naquela noite?

Festa da puta que pariu

janeiro 21, 2010 às 7:04 pm | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , , ,

Estávamos naquela semana preguiçosa entre Natal e ano novo, e minha irmã avisou que ia viajar com seu marido. Ela precisava de alguém para cuidar da casa dela durante a viagem. Eu me ofereci para cuidar da casa dela (meu sonho era ficar sozinho em uma casa grande, assim poderia andar peladão pela casa, kkkkk).

Minha irmã me deu a chave da casa dela e um monte de ordens. Eu nem prestei atenção nas ordens, peguei a chave e mandei ela ir pra puta que pariu. Estava doido pra ficar sozinho naquele casarão e tirar a roupa. Mas quando eu fui tirar a roupa, o jardineiro Caio estava por perto. Ele ficou de olho na minha rola, então coloquei minha roupa de novo.

Ele perguntou como eu queria que ele deixasse o gramado, e o mandei para a puta que pariu também. Não ia fazer diferença cortar a grama daqui 1 ou 2 semanas.

Mas era impossível relaxar, ja que minha irmã me ligava de 10 em 10 minutos pra saber como tava tudo. Eu tava ficando puto com aquilo. Na última vez que ela ligou, me irritei.

“- Como tá a situação por aí?
- Caguei no chão do quarto e espalhei pelas paredes!!!”

Ela riu e desligou o telefone (ela achou que eu tava brincando, ha ha ha ha ha).

De noite, meu amigo Renan me ligou. Ele disse que tava chegando com todo o pessoal pra fazer uma festa na casa da minha irmã. Eu tava a fim de mandar ele pra puta que pariu também, mas pensei que seria legal até uma festinha e tal…

Chegou todo o pessoal, começamos a tocar a música, dançar e beber. Tuntz! Tuntz! Tuntz! Tuntz! (música eletrônica) Alan chegou me oferecendo umas balinhas na festa. Eu, inocente que sou, aceitei. Depois que experimentei a balinha, fiquei doidão. Comecei a pular, dançar enlouquecidamente. Parecia que baixando o santo ao som de tuntz tuntz.

Peguei todas as garotas da festa (hahaha.. dorgas me deixam fodão). Até Caio, o jardineiro, estava doidão na festa. Da última vez que vi, ele tava se esfregando com uma tiazona na beira da piscina. Renan havia levado duas para o banheiro, e fez coisas que ninguém sabe o que (talvez pintar as unhas, ou retocar a maquiagem..).

Lembro que cheguei agarrando uma guria, e a arrastei para dentro de casa. Estávamos no maior amasso, e a levei para o quarto (o não-cagado). Quase no meio do rala e rola, alguém bate na porta. Eu, educado que sou, proferi minha célebre frase: “vai pra puta que pariu!”.

Até que arrombam a porta, era minha mãe. Fudeu! Ela chegou abrindo a porta, fez cara de espanto e gritou: “VAGINO, QUEM É ESSA LAMBISGOIA?!?” (nota-se que o vocabulário de minha mãe é bem atual)

Tentei explicar, mas é meio difícil falar com a mãe enquanto se está pelado, com outra mulher na cama, e de barraca armada. Minha mãe mandou eu me vestir e descer pra falar com ela. Eu disse que em 5 minutos estaria lá (tempo suficiente pra comer a garota, ha ha ha). [/ejaculação precoce]

Quando desci, vi que minha mãe tava doidona na festa, dançando feito louca e ameaçando fazer strip-tease. O filho da puta do Alan deu balinhas pra ela. Quando vi minha mãe dançando feito uma puta, desliguei o som, peguei um extintor e mandei todo mundo pra puta que pariu.

A festa havia acabado, e a casa da minha irmã estava um lixo. Quebraram muita coisa. Pior é que preciso trabalhar pra reconstruir tudo, antes que ela volte. Arranjei um emprego de servente de padeiro, vou colocar a mão na massa (e não queimar a rosca).

NÃO GOSTOU DO ARTIGO? ENTÃO VAI PRA PUTA QUE PARIU!

Na cama com Maradona

janeiro 19, 2010 às 3:19 am | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

Eu estava bem felizão vendo vídeos do Maradona (meu ídolo) no Youtube. Maradona era gênio, fazia gols espetaculares, driblava como poucos, enfim, um ídolo. Dizem que Maradona é um grande fã de Calypso. Isso é um sinal de que ele ainda não conseguiu se livrar das drogas (piada com o selo Zorra Total de qualidade).

Nas discussões de futebol com o pessoal, enquanto todos babavam o ovo de perebas como Pelé, Garrincha, Ronaldo, Cruijff, eu era sempre o defensor do Deus Argentino. E sempre tinha os comentários deselegantes como “ele é tão bom assim? Dá o cu pra ele então!”.

Maradona era tão meu ídolo que eu deixava meu cabelo crescer (fiz uma daquelas trancinhas de argentino, ficava parecendo a corda da descarga), aprendi a ser canhoto (‘sexo’ com a mão esquerda era como transar com uma desconhecida!) e até fazia carreirinhas de talco e cheirava, pra ficar realmente igual a Maradona. Maradona era MARA! [/seu ladir]

Em um domingo chato, fiquei o dia todo vendo videos de Maradona, documentários sobre sua vida, vendo reportagens, lendo artigos. Quando fui dormir, sonhei com Maradona. Era um sonho muito estranho, estávamos jogando futebol, eu e ele no ataque do Botafogo, afinal, ele queria cheirar o pó das Taças (piada com selo Zorra Total de qualidade [2]).

Maradona tocou a bola pra mim, driblei todo mundo, e o goleiro puxou um fuzil e atirou em mim. Como era sonho, posso ser fodão e aguentar os tiros como o Goku.

Depois do jogo, cheguei em casa e não tinha nada. Maradona tinha vendido tudo pra comprar drogas. Ouvia barulhos na cozinha, achei que minha mãe tivesse cozinhando. Cheguei lá e tava o Maradona enrabando minha mãe! Argentino filho da puta! Cheguei falando “QUE PUTARIA É ESSA?!?”, e Maradona me respondeu “estoy poniendo en las conchas de tu madre, cabrón!”. Tava ficando puto com ele.

Quando ‘fez o serviço’ com minha mãe, Maradona gritou “Hey maricón! ahora es tu momento!”, e veio pra perto de mim com aquela benga nojenta. Eu dei um grito “nããããããããooooo” e acordei. Quando acordei, a cama estava toda molhada porque……… deixa pra lá.

Acordei lembrando das palavras de meu amigo Josfrey: “dá o cu pra ele então!”. Pior é que eu acordei antes de dar! Merda!

“Artigo sobre a vida de Floriano, meu amigo paga pau de Argentino”

Hadouken e Eu

janeiro 10, 2010 às 8:27 pm | Publicado em Putaria | Deixe um comentário
Tags: , , , , ,

Assisti semana passada o filme Marley e Eu. Sinceramente, achei uma bosta (o Marley morre no final e todos ficam tristes). Não sou muito chegado nesses filmes com intenção de fazer chorar. Prefiro aqueles filmes que nos fazem rir, querer dar porrada ou fazer sexo.

Vendo o filme, me lembrei de meu cachorro Hadouken. Ele não era igual o cachorro do filme, que era uma peste e depois de velho fico bom. Hadouken sempre foi um cachorro fodão.

Quando filhote, Hadouken era realmente feio, daqueles de dar pena. Meu pai pensou até em reclamar na loja, afinal, compramos um cachorro e recebemos um Alien. (ele aparentava ter 5 patas, mas com o tempo tudo ficou evidente)

Seu grande problema era o seu apetite sexual. Hadouken era fodão, comia todo mundo, pegador. Praticamente um Muleke Piranha (a música Dogão é Mau foi feita em homenagem a Hadouken).

Hadouken era tipo o Gigolô da cidade. Toda pessoa que tivesse uma cachorra no cio e quisesse filhotes, levaria até minha casa, me dava uma certa quantia em dinheiro, e eu deixava Hadouken fazer o serviço. O problema foi quando ele não se deu conta de sua potência e matou um Poodle.

A fama de Hadouken era tão grande que fomos procurados por uma agência. Eles queriam que Hadouken se tornasse ator pornô. E eu seria o empresário de Hadouken, ficaria podre de rico! (detalhe: o filme seria de Hadouken com mulheres reais)

Resolvemos aceitar a proposta. O nome do primeiro filme seria “Arrasando as Cachorras”. Hadouken seria o ator principal. Ia contracenar com 2 das melhores atrizes do ramo. E tudo rolou direitinho. E sua posição predileta era cachorrinho (na hora eu achei engraçada essa piada, eu admito).

Ja no segundo filme, a coisa seria pesada. Hadouken teria que fazer cena de sexo com uma atriz e outro ator. Eu achei que não haveria problema (a menos que o ator se incomode de ser enrabado por Hadouken). Tudo tava rolando direitinho, até uma cena em que eles trocam de posição, e o ator ousa encostar sem querer a sua jeba em Hadouken. O cachorro ficou possuído e arrancou aquele pé de mesa com 1 só mordida. A atriz ficou chocada e acabou atacada também. Hadouken lhe desferiu uma feroz mordida no pescoço, matando-a instantaneamente.

O pessoal do estúdio saiu correndo, só ficamos eu e Hadouken no cenário. Consegui controlar o bicho, porém, acabava ali a carreira de ator pornô de Hadouken. Fui processado e gastamos todo o dinheiro ganho nos filmes, com advogados e fiança. Pelo menos conseguimos convencer a juíza a não castrar Hadouken.

Atualmente, Hadouken e eu trabalhamos em filmes amadores (eu como diretor, é claro. Não tenho tanto “talento”). Seu último sucesso é “2 girls, 1 dog and 1 cup”.

Esta é a história de um cachorro que faz mais do que deitar, rolar e se fingir de morto.

Próxima Página »

Blog no WordPress.com. | O tema Pool.
Entradas e comentários feeds.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.